Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Sexoconvivio

Este Blog contém relatos de encontros de sexo pago vivenciados pelo autor do mesmo.


Este Blog destina-se á publicação, sob a forma escrita, de alguns relatos baseados em encontros de sexo pago vivenciados pelo autor do mesmo. É proibida a cópia e/ou reprodução total ou parcial do conteúdo do Blog sem autorização escrita do seu autor. Aconselho a que menores de idade se abstenham da leitura dos relatos aqui postados. Utilize a pesquisa deste Blog para procurar um número de telemóvel, nome, localidade, etc. de forma mais rápida. Boas leituras e deixe o seu comentário se assim o desejar.

Domingo, 30.10.16

965400019

Dia 06-10-2016, ando pela zona de Sintra e já faz muito tempo que não tenho um encontro de sexo pago por estas bandas. Antevejo a oportunidade de remediar esse facto, e para concretizar essa oportunidade dou uma olhadela nos anúncios do Correio da Manhã. Encontro este: MERCÊS 1VEZ LOIRINHA SAFADINHA ATRÁS TUDINHO COMPL, 965400019. Faço um primeiro contacto para saber as condições. Atende uma voz clara e fácil de compreender, com sotaque brasileiro e que me diz estar numa rua perto de uma determinada superfície comercial na Tapada das Mercês. Especifica o número de porta, mas não diz o nome da rua. O convívio é completo com o valor de 20€, não apresentando nenhuma outra modalidade. Afirma estar disponível até às 21 horas. A zona não me é estranha, mesmo sem o nome de uma rua deduzi que a Rua Professor Rui Luís Gomes seria o meu destino. Sigo para lá, embora a zona tenha vários prédios de habitação o estacionamento foi fácil e gratuito. Ainda antes de fazer um segundo contacto reparo que o número de porta que me havia sido dado é rodeado por alguns estabelecimentos comerciais. Nos minutos em que estive a observar as imediações, reparei que existe algum movimento de carros e de peões. Ainda assim, o local pareceu-me discreto. Faço o segundo contacto para saber da sua disponibilidade imediata e completar a morada. Obtenho resposta positiva quanto à disponibilidade imediata. Ela confirma também que estou na rua certa, diz que devo dirigir-me ao número que me havia dado, lá chegado devo voltar a ligar. Deixo o carro e dirijo-me para a porta do prédio, já nas suas imediações volto a telefonar. Ela abre a porta sem perder muito tempo e divulga o apartamento para onde me devo dirigir.

 

Entro no prédio e subo ao andar pretendido por um de dois elevadores. Lá chegado procuro o apartamento indicado, lá encontro uma porta entreaberta com a profissional do sexo a espreitar cá para fora. Entro, ela fecha a porta e cumprimentamo-nos com dois beijos na face. A diferença de luminosidade entre o elevador e o apartamento fez com que ficasse “cego” enquanto me adaptava às novas condições de luminosidade. Ainda assim, percebi que já conhecia esta profissional do sexo. É a Suzana que havia conhecido no Cacém em 2013. À porta atendeu usando sapatos de salto alto, meias de licra até aos joelhos, lingerie e um lenço à cintura descaído para o lado esquerdo. Tudo isto de cor preta. Sou de imediato encaminhado para o quarto atravessando o apartamento onde apenas se observavam portas fechadas. Antes de entrar no quarto peço para ir à casa de banho, sem perder tempo ela indica-me uma porta próxima. Entro na casa de banho enquanto ela se afasta e foi falar com alguém. O tom de voz do interlocutor era feminino o que leva a crer que existirá mais uma profissional do sexo naquele apartamento. Encontrei a casa de banho limpa e sem cheiros onde o branco era a cor predominante. Na parede em frente à porta estava a banheira, em cima da borda da banheira existia um rolo de papel higiénico, bem como uma embalagem de sabonete líquido. À esquerda da porta, e escondida atrás desta, estava uma sanita e à sua direita estava um bidé. Fixado na parede por cima do bidé existia um suporte para toalhas que estava vazio. À direita da porta estava um lavatório, por baixo do lavatório existia uma armário e fixado na parede por cima do lavatório estava um espelho. O lavatório é de cor branca mas assenta num tampo de cor preta. Em cima deste tampo existia uma peça de faiança acompanhada por duas embalagens de produtos de higiene pessoal. No chão em frente ao lavatório estava um tapete em tons de cor-de-rosa, com o formato de hemiciclo. Após refrescar o tolinhas e de o secar com o papel higiénico (a única forma de o secar), preparo-me para sair. É então que ela volta e me acompanha até ao quarto por entre alguma conversa que se foi mantendo durante o encontro.

 

Entrámos no quarto ficando a porta entreaberta, provavelmente devido aos cabides de plástico cor verde que nela estão pendurados. Na parede à direita da porta existia apenas um roupeiro embutido. No canto diametralmente oposto à porta existia uma secretária, em cima desta estava uma placa ou estrutura de madeira. Em frente à secretária existia uma cadeira de escritório de cor vermelha. Entre a secretária e o roupeiro estava uma cama de casal que continha uma almofada e um edredão que cobria tudo. Ao lado da cama estava uma mesa-de-cabeceira de cor branca. Em cima desta mesa-de-cabeceira existia um rolo de papel de cozinha, uma embalagem de toalhitas, algumas embalagens de gabardines e um rádio de cor preta que estava desligado. Em frente à cama estava uma estante de cor branca com cerca de dois metros de altura. As suas prateleiras estavam praticamente vazias, uma delas foi usada por ela para colocar a sua roupa. Ao lado desta estante estava uma mesa de centro de sala que foi onde deixei a minha roupa. Entre a secretária e a mesa de centro de sala existia uma porta com os estores corridos, por entre as suas lâminas entrava a luz solar que iluminava suficientemente o quarto. A conversa foi-se mantendo enquanto nos despíamos e aproveito o momento para a ir observando. É brasileira caucasiana com cerca de 1,60 metros de altura, cabelos pintados de loiro apanhados atrás da cabeça. A sua cara já apresenta algumas marcas da passagem do tempo bem como uma verruga que é impossível não ver. O seu peso rondará os 60 Kg que, juntamente com os 46 anos de idade que diz ter, dão à sua barriga um aspecto roliço. As suas coxas e nádegas apresentam dimensões agradáveis, mas também se notam alguns sinais de celulite. A sua vagina apresentava algum pêlo, o seu peito não sendo de grandes dimensões é firme e natural. A sua pele, macia ao toque, apresenta alguns sinais espalhados pelo corpo. É também visível uma mão cheia de tatuagens. Durante a conversa diz que o seu nome é Suzana, afirmando no entanto que é apenas o nome artístico que usa na linha de Sintra, onde conhece o Cacém por já lá estado durante 4 anos. Obviamente não se lembrava de mim, e eu, nada disse para alterar a sua percepção.

 

Ao contrário de mim, ela não foi à casa de banho para se lavar. Já despidos tomo a iniciativa de pagar no início, a Suzana coloca do dinheiro em cima da secretária. De seguida ela volta-se para mim e vendo o tolinhas já animado usou as mãos para o manter nesse estado enquanto ia-mos conversando em pé ao lado da cama. Pouco depois ela agarra numa gabardine e veste-o. Já com o tolinhas vestido a Suzana vira-se de costas para mim e, por alguns momentos, fricciona o seu traseiro no tolinhas de forma a mantê-lo entre as nádegas. Por esta altura a Suzana ainda tinha os sapatos de salto alto calçados, este facto ajudou a manter o seu traseiro empinado quando ela se inclinou para a frente e colocou as mãos em cima da cama. Posição perfeita para iniciar o vaginal. Sem a utilização de qualquer tipo de lubrificante o tolinhas foi entrando devagar, e com alguma fricção, num canal que senti razoavelmente apertado. Mantivemos esta posição durante alguns minutos para depois continuarmos o vaginal em cima da cama na posição de missionário. Estivemos nesta posição por mais algum tempo, a dada altura sugeri que ela viesse para cima de mim. Ela aceitou e demos continuidade ao vaginal mudando para a posição de cowgirl com ela executando os movimentos de sobe e desce estando apoiada nos seus pés numa fase inicial, para depois se apoiar nos seus joelhos. Não ficámos muito tempo nesta posição, pouco depois ela sugeriu que passássemos para o anal. Obviamente não foi preciso sugerir duas vezes. Passámos para a posição de doggy style. Com um movimento da sua mão a Suzana unta a porta traseira com um pouco da sua saliva. Lentamente o tolinhas foi entrando na porta traseira, para depois iniciar os movimentos de vai e vem até que entrar todo. Nesse momento houve uns instantes de pausa para que a Suzana se descontraísse um pouco mais. Pouco depois os movimentos de vai e vem foram retomados sendo a sua cadência aumentada e mantida até ao momento em que o tolinhas fez a entrega do seu leite na gabardine.   

 

Pouco depois desencaixamos e seguiu-se a retirada da gabardine, fazendo-se uso do papel de cozinha para esse e fim. Retiro mais um pouco de papel para uma melhor higiene do tolinhas, seguindo-se uma toalhita para rematar a limpeza. Também a Suzana utiliza umas toalhitas e papel para a sua higiene, ao mesmo tempo que comenta as dimensões do tolinhas. Vamos conversando mais um pouco enquanto nos vestimos. Seguidamente sou acompanhado até à porta onde nos despedimos com um par de beijos na face e fui à minha vida.

 

Conclusão: A Suzana mostrou-se simpática e manteve alguma conversa durante o encontro. Na cama demonstra vontade de agradar o cliente, e cumpriu o convívio completo anunciado ao telefone sem colocar qualquer tipo de objecções ou reticências. Um ponto negativo foi o facto de, ao contrário de mim, ela não ter ido à casa de banho para se lavar. Ainda assim, no decorrer do encontro não lhe senti cheiros, mas este facto pode ter ocorrido por não ter existido oral de parte a parte. Este encontro acabou por ser um repeteco não intencional, mas com nota positiva. Um novo repeteco não está fora de questão.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Ninor às 23:56

Terça-feira, 11.06.13

964551111

Dia 01-06-2013, depois do fiasco ocorrido em Lisboa uns dias antes, fui novamente pesquisar os anúncios no Correio da Manhã para tentar um encontro. Após alguns telefonemas para os contactos onde se anunciava convívio completo, optei por tentar este: 1ª VEZ 40TONA RABUDA BELAS CURVAS ACESS CINT COMPL, 964551111. O primeiro contacto foi atendido sem demoras, e com respostas assertivas às minhas perguntas, fiquei a saber que se encontra nas Mercês perto de umas bombas de gasolina. Os valores - convívio normal 20€, e completo 40€. Sigo para as Mercês para procurar as ditas bombas que, acabei por descobrir ficarem perto da estação de comboios local mas do lado oposto a um centro comercial muito conhecido na zona. Lá chegado, ligo novamente para mais informações. Sou informado de que ela está disponível de imediato e que se encontra na Rua João Vilarett. Socorrendo-me do GPS acabo por encontrar a dita rua, onde o estacionamento foi fácil e é gratuito. Telefono novamente para saber o número do prédio e apartamento. Essa informação foi prontamente disponibilizada, bem como o facto de a porta do prédio ser imediatamente aberta para que eu não tivesse de ficar na rua á espera (gosto deste tipo de atenção).

 

Sigo para o prédio e entro de imediato, não passo do R/C para chegar ao apartamento e a porta do mesmo não demorou muito a se abrir. Ao transpor essa porta dou com uma brasileira sorridente e simpática cuja característica física mais evidente na sua figura é a grande dimensão da sua cintura. Numa palavra é enorme. Diz chamar-se Maria, é branca, tem cerca de 1,65 m de altura, peso não sei mas arrisco qualquer coisa perto dos 80Kg, cabelos castanhos-claros que acredito serem pintados, e de cara não é nada de especial. Apresentou-se vestindo um body com pintas tipo leopardo e lingerie de renda branca e fio dental. Após nos cumprimentarmos indicou-me o caminho para o quarto, nesse momento apercebi-me de uma porta que se fechava e foi-me dito que era a colega que estava dentro dessa divisão do apartamento. Vamos em direção do quarto mas antes de entrar passo pela casa de banho que fica fora do mesmo. Encontrei as instalações limpas e sem cheiros, estando disponíveis produtos de higiene pessoal, bem como toalha de pano ou papel para nos secarmos. Após a lavadela usual vou para o quarto onde a Maria me aguardava já só com a cuequinha branca e fio dental. Tal como a casa de banho, o quarto estava igualmente limpo e sem cheiros, com aspeto arrumado. Tem mobiliário básico, cama de casal onde se colocou o lençol de trabalho, uma cadeira e um armário. Fomos conversando enquanto me despia e, ao mesmo tempo, fui vendo melhor as proporções da Maria. A sua barriga tem alguma gordura mas não é nada de mais, não sei o tamanho do seu peito mas não é pequeno e é firme, no entanto apresenta cicatrizes de cirurgia de redução de peito ou colocação de silicone. Como escrevi anteriormente, a sua anca é enorme e isso deve-se ao facto de as suas coxas e rabo apresentarem grandes quantidades de celulite cuja aparência não é esteticamente muito agradável. Além das cicatrizes no seu peito vi pelo menos mais duas, uma num dos ombros e outra na zona do baixo-ventre e, apresenta também algumas estrias. Não reparei nenhumas tatuagens ou piercings. Disse ter 43 anos de idade mas não me admiraria se a sua idade tiver mais alguns anos.

 

Já despido dirijo-me para a cama e antes de subir para ela, a Maria dirige-se a mim e abraça-me roçando o seu corpo no meu, primeiro de frente dando-me oportunidade para verificar a firmeza dos seu peito, e depois de costas para mim. O tolinhas começou logo a dar sinais de vida e a Maria deu mais uma ajuda quando de costas para mim se baixou para tirar a cuequinha deixando o seu grande traseiro encostado ao tolinhas que em menos de nada ficou firme. Neste momento, a Maria sentou-se na cama e colocou a gabardine no tolinhas, pois só assim faz oral, e durante alguns minutos mamou-o de forma razoável com boa sução e brincando com a língua estando eu de pé ao lado da cama. Subimos depois para cima da cama e vi que a Maria tem algum pelo na púbis e, embora dê preferência a vaginas totalmente depiladas, perguntei se a podia chupar ao que ela respondeu afirmativamente, assim o fiz durante algum tempo. Seguimos depois para um vaginal que se iniciou na posição de missionário e depois em doggy style. Foi razoável mas também nada de especial, achei o canal nem apertado nem largo. Passado algum tempo quis passar ao anal para aí terminar, e mais uma vez deparei-me com o mau profissionalismo de uma profissional do sexo. Ao telefone não colocou qualquer objeção para o sexo anal, na cama levo com uma recusa tal que nem sequer tentou fazer dizendo: Você tá muito acima da média nacional. É muito grande, nunca que eu vou conseguir (imaginem isto mas com sotaque brasileiro). Mais uma vez vi frustradas as minhas espectativas que obviamente limitaram logo ali o meu grau de satisfação relativamente a este encontro. Para o finalizar a Maria voltou a lubrificar-se e passamos novamente para um vaginal na posição de missionário até que o tolinhas fez a sua entrega de leite na gabardine.

 

Logo depois ela diz-me para me deitar na cama, tira a gabardine ao tolinhas e limpa-o de seguida com toalhitas de papel. Ausentou-se pouco depois para ir a casa de banho, demorou pouco tempo e quando voltou já eu me estava a vestir. Fomos conversando mais um pouco enquanto nos vestíamos e ela ajeitava a cama. Não senti pressão ou intenção da parte dela para terminar o encontro e paguei pouco antes de sair do quarto sem que ela mo tenha pedido. Fui acompanhado até a porta, despedimo-nos com um par de beijos na face e um até á próxima que se depender de mim nunca se irá realizar.

 

Conclusão: A simpatia demonstrada no atendimento, uma falta de controlo de tempo (pelo menos aparentemente), um oral bem razoável e um vaginal satisfatório aliado às impressionantes dimensões das suas ancas e firmeza do seu peito, poderiam ter resultado num encontro a repetir. No entanto, considero que uma profissional do sexo que anuncia convívio completo, ao telefone não coloca objeções ou condições para que este se efetive, e depois na cama diz não ao cliente, é uma má profissional pois esta a defraudar as espectativas de quem a procura. Uma boa profissional deve esclarecer totalmente o potencial cliente ao telefone e na cama cumprir com o prometido, quer seja difícil ou não, goste ou não goste de o fazer. A recusa em fazer anal que a Maria me deu já na cama, além de me deixar insatisfeito com este encontro garantiu também a não repetição do mesmo. Ainda assim, na memória ficaram as grandes proporções das suas ancas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Ninor às 21:02

Tal como está escrito na primeira linha a azul no topo deste blog, o mesmo serve para publicação, sob a forma escrita, de alguns relatos baseados em encontros de sexo pago vivenciados pelo autor do mesmo. Não permitirei que este blog seja uma plataforma publicitária, por isso quem quiser publicitar o que quer que seja no espaço para comentários deste blog, verá os seus intentos frustrados tão cedo quanto me for possível. Procurem outro local ou concebam o vosso próprio espaço publicitário.


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Março 2018

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

Posts mais comentados





Flag Counter