Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Sexoconvivio

Este Blog contém relatos de encontros de sexo pago vivenciados pelo autor do mesmo.


Este Blog destina-se á publicação, sob a forma escrita, de alguns relatos baseados em encontros de sexo pago vivenciados pelo autor do mesmo. É proibida a cópia e/ou reprodução total ou parcial do conteúdo do Blog sem autorização escrita do seu autor. Aconselho a que menores de idade se abstenham da leitura dos relatos aqui postados. Utilize a pesquisa deste Blog para procurar um número de telemóvel, nome, localidade, etc. de forma mais rápida. Boas leituras e deixe o seu comentário se assim o desejar.

Sexta-feira, 30.03.18

920425712

Dia 04-02-2017, domingo livre. Decido ir até à linha de Sintra em busca de mais um encontro de sexo pago. Seleciono uma mão cheia de anúncios no Correio da Manhã para uma ronda de contactos. Acabo por me decidir por este: BELA MULHER 28A DESINIBIDA SEXY COMPLETA O.DELICIOSO S/PRESSA, 920425712. No primeiro contacto uma voz com sotaque Brasileiro diz estar num determinado número da Rua Guilhermina Suggia, anuncia convívio normal por 20€ e completo por 30€ não colocando nenhumas objecções á sua concretização. Diz ainda que está disponível até às 24h. Com o GPS apontado sigo para o local indicado. Chego a uma zona habitacional de prédios onde o estacionamento foi fácil e gratuito. Observo as imediações e pareceu-me um local discreto. Assim sendo, faço novo contacto para averiguar da sua disponibilidade imediata e completar a morada. Confirma disponibilidade e o número de porta dado anteriormente, acrescentando que a porta já estaria aberta, e especifica o apartamento para onde me devo dirigir.

 

Sigo então para a porta do prédio e entro sem demoras, não vejo elevador por isso vou pelas escadas. Ao aproximar-me da porta do apartamento esta abre-se e mais uma vez entro sem demoras. Entro no apartamento e encontro uma profissional do sexo já minha conhecida mas, que já não a via faz muito tempo. Apresenta-se como Vanessa, cumprimentamo-nos com um par de beijos na face e sou levado pelo corredor em direção ao quarto. Reparo que uma porta aberta dava para a casa de banho e pergunto se lá posso ir refrescar o tolinhas. Prontamente diz que sim. Sou então lá deixado. Encontrei-a limpa, sem cheiros e bem iluminada. Nela existia uma banheira com cortinados de duche corridos, por cima da banheira existiam uma série de janelas fixas que acabei por perceber que davam para o quarto. Um caixote do lixo estava no chão junto do lavatório, em cima do lavatório estava disponível uma embalagem de sabonete líquido. Por cima do lavatório estava um espelho de casa de banho com alguns itens incluindo um rolo de papel. Do lado oposto ao lavatório existia um bidé e uma sanita. Contudo, o bidé aparentava estar inutilizado pois continha um arranjo de flores artificiais dentro dele. Deste modo, tive de refrescar o tolinhas no lavatório após o que, vou para o quarto onde a Vanessa se encontrava. Com alguma conversa de circunstância começo a despir-me quando ela diz que vai à casa de banho lavar-se, mas antes de sair pergunta: “o que vamos fazer?” Digo-lhe que convívio completo. Com mais algum palavreado à mistura ela pede o valor do encontro. Sem demoras efetuo o pagamento. Ela sai para ir guardar o dinheiro e depois foi se lavar.

 

Com ela ausente, acabo de me despir e observo o quarto. Também ele estava limpo e sem cheiros, tinha aspecto arrumado. O espaço era suficiente para nos movimentarmos e iluminação suficiente que provinha, maioritariamente das janelas da casa de banho, e da pouca luz solar que passava pelos buracos dos estores da janela voltada para a rua. Deixei a minha roupa em cima de uma cadeira situada junto de um espelho com cerca de 1,20 metros de altura e que estava assente no chão. A um canto estava uma cômoda de madeira, junto dela a janela que dava para a rua tinha cortinados vermelhos e pretos que filtravam a pouca luz solar que passava pelos estores. À esquerda da porta existia uma mesa-de-cabeceira, continha rolo de papel, toalhitas, lubrificante e gabardines. À sua direita estava uma cama de casal com o lençol de trabalho já colocado e duas almofadas. Na parede por cima da cama existia um quadro, à direita da cama estava um aquecedor a óleo que ia dando algum calor ao quarto. Já despido fui para a cama onde esperei que ela regressasse da casa de banho. Quando regressa já só trás as sandálias calçadas que lhe dão mais uns 3 ou 4 centímetros. O soutien rosa, cueca rosa e preta com que abriu a porta haviam ficado na casa de banho. Tenho a oportunidade de a ver melhor, com cerca de 1,60 metros de altura aparenta ter uma idade na casa dos trintas e um peso a rondar os 60 kg. A sua barriga ganhou algum volume de gordura desde a última vez que a vi. Mantém o seu cabelo longo liso e de cor preta, os seus olhos escuros acompanham uma beleza facial não sendo uma top model também não me choca. Tem peito pequeno, firme, natural com bicos salientes. Apresenta alguns sinais na pele, o traseiro e coxas são firmes, pele cor morena e a vagina apresenta pêlo aparado (tipo barba de 3 ou 4 dias). Não lhe vi tatuagens, piercings, estrias, sinais de celulite, cicatrizes.

 

Pouco depois ela junta-se a mim na cama. No meio de conversa da treta chupei-lhe os bicos das tetas (mostrou-se muito sensível) os bicos aumentaram de volume de forma visível. Seguidamente, ela diz para eu me deitar e iniciou o oral com gabardine desde o início. Opção de escolha não houve. Já com o tolinhas em pé e vestido ela lubrifica-se e quando eu penso que vamos para vaginal, ela pede desculpa e vai à porta do apartamento ver quem era, pois já era a segunda vez que batia. Alguém entrou e ela voltou para o quarto. Seguiu-se mais algumas chupadelas no tolinhas e rapidamente passámos para vaginal na posição de reverse cowgirl num ritmo lento e onde a senti apertada. Algumas dúvidas sobre a concretização do convívio completo foram lançadas pela Vanessa, para logo de seguida ela desencaixar do vaginal, lubrificar a porta traseira e colocar-se na posição de doggy style instruindo-me a encostar a cabeça do tolinhas e a ir devagar. Nestas ocasiões ou sempre bem-mandado e não perdi tempo a seguir as instruções. Aos poucos o tolinhas foi entrando com pequenos movimentos de vai e vem. Ainda assim, só conseguiu entrar cerca de metade devido ao aperto sentido. Esta posição foi mantida até que a entrega de leite se realizou.

 

Desencaixamos e saímos da cama, a Vanessa dá-me algum papel para que eu retire a gabardine ao tolinhas. Vou-me vestindo enquanto ela ajeita o quarto e depois vais à casa de banho lavar-se e vestir-se. Regressa para mais um pouco de conversa de circunstância enquanto acabo de me vestir. Depois despedimo-nos com um novo par de beijos e sou acompanhado até à porta.

 

Conclusão: Foi um repeteco não intencional, já havia perdido o rasto da Vanessa à alguns anos e não contava voltar a encontrá-la. É notório que a passagem do tempo lhe deu alguma barriga mas, ainda assim, a sua silhueta não está mal. Continua com a mesma atitude de querer cumprir o anunciado ao telefone mas, desta vez senti que uma dinâmica mais despachada no decorrer do encontro. Somando o facto de que a meio do encontro fui deixado na cama para se ir abrir a porta para que alguém entre no apartamento, faz com que a questão: um Repeteco? Tenha a resposta: Sim, quem sabe.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Ninor às 22:21

Segunda-feira, 25.12.17

913696689

Dia 02-12-2017, ando pela região da Bairrada, terra de bom vinho e de bom leitão que chegaram para saciar a fome do estômago, mas que aguçaram a fome ao tolinhas. A meio da tarde fui tentar resolver essa situação. No Diário de Aveiro, periódico já meu conhecido, vou directo aos seus classificados de encontros para averiguar quais as possibilidades existentes. Pensando que teria de me deslocar até à cidade de Aveiro, foi com surpresa que vejo um anúncio sem fotos e que me ficaria bem mais perto. Versava assim: ANGOLANA 26ª Meiga, Atende Cavalheiros Nas Calminhas! Oral, Vaginal, Anal!, 913696689. No primeiro contacto uma voz com sotaque português que me pareceu levemente africano, diz-me que o menu normal tem o valor de 20€ e o completo 30€. Dá-me uma zona industrial como ponto de referência, e afirma estar disponível até às 24h. Completamente ignorante quanto à localização que me havia sido dada, tive de fazer uma busca na net para me orientar, insiro a informação no GPS e sigo para lá.

 

Lá chegado faço novo contacto para saber da sua disponibilidade e completar a morada. Atende rápido e confirma a disponibilidade imediata. Dá-me o número da porta da casa onde se encontra bem como algumas das características exteriores da mesma. Instrui-me também a estacionar o carro numa zona específica. Apercebo-me que não estou longe da casa e estaciono onde me pareceu melhor e sem fazer caso do que me tinha sido pedido. Assim que saio do carro vejo que a porta se entreabre e vou directo a ela. Mal ponho os pés lá dentro encontro uma bela jovem africana que me pede para voltar atrás e estacionar o carro no local que havia mencionado antes, para que não houvesse problemas com os vizinhos. Procedo tal como indicado e seguidamente volto a entrar na casa. Encontrei uma profissional do sexo com cerca de 1,60 metros de altura e uns 50 kg de peso, a julgar pela sua silhueta. Tinha o cabelo apanhado, os seus olhos são escuros e considero a sua face bonita. Vestia uma camisa de noite com alças de cor preta e justa ao corpo, calçava sandálias vermelhas. Cumprimentámo-nos com um olá e um par de beijos na face. Apercebo-me da existência de uma televisão ligada, mas durante o tempo em que lá estive não notei a presença de mais alguém em casa. Sou encaminhado pelo corredor até ao quarto. Pelo caminho passamos por duas portas abertas que deixaram ver uma casa de banho e um segundo quarto.

 

Pergunto se posso ir à casa de banho e obtenho resposta positiva. Era espaçosa, estava limpa, sem cheiros e bem iluminada. Nela existia um lavatório onde estava uma embalagem de sabonete líquido, por cima do lavatório estava um espelho fixado na parede. Ao lado do lavatório estava uma toalha num suporte fixado na parede. Existia também uma sanita, um bidé, um caixote do lixo. Por cima deles estava uma janela com os estores corridos e na sua soleira estavam alguns elementos decorativos. No canto diametralmente oposto à porta, estava um recipiente de vidro de grandes dimensões cujas funções atuais ou passadas me escapam. À esquerda deste recipiente, estava uma banheira. No chão da casa de banho estavam dois tapetes felpudos. Após refrescar o tolinhas volto para o quarto. Também ele espaçoso estava limpo, sem cheiros, com aspecto arrumado, estava bem iluminado por luz solar que passava pelos buracos dos estores de uma janela com cortinados e que dava para a estrada, bem como por um candeeiro aceso no tecto. Existia uma de casal onde estava um travesseiro a toda a largura da cama e um lençol de trabalho já estava colocado. A cama era ladeada por duas mesas-de-cabeceira, na que estava mais distante da porta existia gabardines, toalhitas e lubrificante. Perto desta mesa-de-cabeceira existia um caixote do lixo de cor azul. No canto diametralmente oposto à porta estava também um sofá, num outro canto estava uma cadeira que usei para deixar a minha roupa. À esquerda da porta estava uma cômoda de madeira, por cima da comoda estava um espelho fixado na parede. Vou-me despindo ao mesmo tempo que a vou olhando e fazendo alguma conversa. Diz chamar-se Mariza e ter 27 anos de idade, o seu sotaque de português africano mostra que não é daquelas paragens. Pergunto-lhe se quer receber no início ou no fim, ela diz que prefere receber já. Sem stress pago logo no início. Ela também se despe e desta for é-me possível ver que o seu peito é firme e sem silicone com dimensões que não sendo grandes, são adequadas à sua estatura. De igual forma as suas coxas e o seu traseiro são firmes e de dimensões atraentes onde não vi sinais de celulite ou de estrias. Apresenta uma ligeira barriga, mas que não compromete a beleza geral da sua silhueta. O seu corpo tem também uma tatuagem.

 

Pouco depois fomos para cima da cama para dar início ao encontro. Deitei-me na cama e ela iniciou um oral ao natural. Dado que o tolinhas já estava em sentido ainda antes de chegar à cama, o oral resumiu-se a meia dúzia de chupões antes de lhe ser vestida a gabardine. Seguidamente, ela veio para cima de mim para iniciar o vaginal na posição de cowgirl. O tolinhas sentiu-se bem aconchegado no canal apertado por onde deslizava nos movimentos de sobe e desce que a Mariza executava apoiada nos seus joelhos. Estes movimentos, além de boa amplitude tinham também um ritmo animado. Algum tempo depois ela pergunta se quero mudar. Repondo que sim e trocamos de posição para prosseguirmos o vaginal na posição de missionário. Por mais alguns minutos o vaginal continuou com ela deitada e alternando entre duas ou três outras posições, e durante este tempo a cama mostrava-se ruidosa. A dada altura, senti que o tolinhas se estava a aproximar do final. Perguntei se podíamos terminar com anal, ela sorriu e disse: “Vamos ver se consigo meter ele”. Colocamo-nos de pé ao lado da cama, ela lubrifica a porta traseira e aos poucos, em vários movimentos de vai e vem, o tolinhas acabou por entrar todo. Durante o anal agarrei-a pela cintura, acariciei-lhe o peito e a porta da frente sem que tivesse existido qualquer tipo de objecções. Com o tolinhas na recta final e um canal tão apertado, não durou muito até que o tolinhas fizesse a entrega de leite.

 

Desencaixamos e a Mariza agarra em algumas toalhitas e retira a gabardine ao tolinhas, depois pergunta se quero ir à casa de banho para uma melhor higiene. Respondo que sim e fomos os dois para a casa de banho. Lavei-me primeiro e voltei para o quarto para me vestir deixando a Mariza a lavar-se. Pouco depois também ela regressa ao quarto para se vestir e ajeitar o quarto. Fomos fazendo alguma conversa, e pouco depois chegara o momento de me ir embora. Fui então acompanhado até à porta onde nos despedimos com um par de beijos na face, um obrigado e até à próxima.

 

Conclusão: O local de atendimento é agradável e relativamente discreto. Sem dúvida que é muito diferente dos apartamentos com que normalmente me deparo nos encontros de sexo pago. A Mariza mostrou ser simpática sem ser muito faladora. No quarto quer agradar o cliente e na cama cumpriu o anunciado ao telefone sem qualquer tipo de objecções. É detentora de um corpo cuja silhueta fará inveja a muitas profissionais do sexo, e espanta-me que o seu anúncio no Diário de Aveiro não apresente uma foto sua. Repeteco? Se tiver oportunidade para tal, claro que sim.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Ninor às 23:48

Tal como está escrito na primeira linha a azul no topo deste blog, o mesmo serve para publicação, sob a forma escrita, de alguns relatos baseados em encontros de sexo pago vivenciados pelo autor do mesmo. Não permitirei que este blog seja uma plataforma publicitária, por isso quem quiser publicitar o que quer que seja no espaço para comentários deste blog, verá os seus intentos frustrados tão cedo quanto me for possível. Procurem outro local ou concebam o vosso próprio espaço publicitário.


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Março 2018

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031





Flag Counter

Visitantes Online