Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Sexoconvivio

Este Blog contém relatos de encontros de sexo pago vivenciados pelo autor do mesmo.



Este Blog destina-se á publicação, sob a forma escrita, de alguns relatos baseados em encontros de sexo pago vivenciados pelo autor do mesmo. É proibida a cópia e/ou reprodução total ou parcial do conteúdo do Blog sem autorização escrita do seu autor. Aconselho a que menores de idade se abstenham da leitura dos relatos aqui postados. Utilize a pesquisa deste Blog para procurar um número de telemóvel, nome, localidade, etc. de forma mais rápida. Boas leituras e deixe o seu comentário se assim o desejar.

Domingo, 31.01.16

926421807

Dia 08-01-2016, após passar os últimos meses de 2015 em repetecos, pensei iniciar o ano de 2016 na demanda de encontros de sexo pago buscando uma cara nova. Pela manhã compro o Correio da Manhã e dou uma olhadela pelos classificados para procurar as possibilidades de convívio completo. Após alguns telefonemas de pesquisa a minha busca depara-se com este: 1X AQUI CIGANA ALTA MORENA MEIGA COXA GROSSA PELUDA O NAT FIM 69 COMPL, 926421807. Pensei: “Cigana?!, nunca experimentei. Vamos ver as condições”. Neste primeiro contacto, uma voz simpática e com sotaque português diz estar perto da Igreja no Cacém de Cima, anuncia convívio com oral ao natural e vaginal por 20€ e convívio completo por 30€ não colocando objeções à sua realização. Estando disponível até às 19h, ficou combinado um encontro para o meio da tarde. Com o aproximar da hora acordada, ponho-me a caminho pelo IC19 a fora e após alguma pesquisa lá consigo encontrar o ponto de referência. Volto a ligar para mais informações e sem demoras o telefone foi atendido. Sou instruído a dirigir-me ao Largo Gama Barros e voltar a ligar. Seguindo as instruções, rapidamente percorro as poucas centenas de metros de distância até ao referido Largo onde, o estacionamento foi fácil e gratuito. Olhando em volta não se vê nenhuma porta de entrada para os prédios, apenas se vê a entrada para uma garagem, e outra de um restaurante. Pensando que me tinha enganado no local volto a ligar para pedir mais informações. Sou informado de que estou no local certo e que devo estacionar por ali, pois era mais discreto, devendo depois seguir a pé até à porta do prédio que não está virada para o largo, mas sim para a Rua da esperança. Assim faço, e efetivamente a o acesso à porta do prédio, já de si localizada num ponto super reservado, é muito mais discreto se realizado a partir do largo. Tal como me havia sido dito ao telefone, quando cheguei à porta do prédio volto a telefonar para que me abram a porta e me digam qual o apartamento a que me devo dirigir. Esperei alguns segundos, mas lá entrei no prédio. Subo de elevador até ao andar pretendido. Chegando lá, procuro o apartamento e pouco depois uma porta abre-se.

 

Entro e encontro a profissional do sexo atrás dela, vestia uma camisola sem mangas cor de laranja, cueca fio dental com padrão leopardo preto e branco e dois pares de meias. Fechando a porta pergunta-me se foi difícil lá chegar. Digo que sim pois não conheço a zona. Prontamente indica-me o caminho para o quarto e segue atrás de mim. Pelo caminho o ruído que se fazia sentir indicava que existiam mais profissionais do sexo no apartamento. Aproximando-me do final do corredor vejo que ao fundo deste ficava a casa de banho, e à sua esquerda o quarto para onde nos dirigíamos. Paro à entrada do quarto e pergunto se posso ir à casa de banho, ela responde: Claro. Ela acende a luz da casa de banho e diz para eu ficar à vontade. Encontrei a casa de banho arrumada, limpa e sem cheiros. Continha sanita, bidé, polibã com cabine de duche, lavatório, um cesto feito de vime com roupa suja escondido por trás da porta, bem como um caixote do lixo de reduzidas dimensões. Disponibilizava sabonete líquido e rolo de papel para nos secarmos. Agradáveis tons de azul e cinzento dominam os seus azulejos. Lavo-me e volto para o quarto que estava vazio. Instantes depois ela vem à porta do quarto e diz-me para ficar à vontade que vai à casa de banho lavar-se. Tiro a roupa e coloco-a em cima de uma cadeira de plástico de cor branca situada perto da entrada do quarto. Vou observando o quarto também ele arrumado, limpo e sem cheiros. À esquerda da cadeira está uma cómoda que continha uma TV desligada junto ao canto do quarto, e que era acompanhada de alguns elementos decorativos e alguns artigos de higiene pessoal (perfumes, etc.) Cortinados vermelhos escuros ou roxos nas pontas e brancos ao meio estavam em frente à janela que também tinha os estores corridos. A cama de casal, já com lençol de trabalho em cima, era ladeada por duas mesas-de-cabeceira. Uma delas tinha um candeeiro desligado e alguma decoração. A outra, situada entre a cama e o roupeiro, tinha um candeeiro que iluminava suficientemente o quarto e que estava acompanhado de alguns artigos usados no convívio (gabardines, lubrificantes e uma caixa com um strapon). O roupeiro tem um vidro de grandes dimensões na porta, que é uma característica interessante durante o convívio. Reparo ainda que à entrada do quarto e colocado no chão junto ao roupeiro está um ambientador. Já despido noto que no quarto não existia aquecimento, este facto fazia com que a temperatura do ar estivesse fresca mas não ao ponto de me ser desagradável. Ao contrário do chão que estava um gelo.

 

Quando ela regressa ao quarto já só trajava a camisola e as meias, pois tinha deixado as cuecas na casa de banho. Mostrou-se pouco faladora, comenta apenas que está frio. Eu já a esperava em cima da cama e perguntei o seu nome, responde Ana. Tira a camisola e, agora com ela despida, tenho a oportunidade de observar o seu corpo. Com cerca de 1,70 metros de altura, aparenta rondar os 30 anos de idade, tem a pele morena, cabelos negros longos e entrançados, olhos castanhos e sobrancelhas finas, as orelhas têm brincos de dimensões consideráveis. Se realmente é ou não cigana tal como diz o anúncio, não sei. Mas à primeira vista enquadra-se no estereótipo. O seu peito é de tamanho mediano natural e um pouco descaído, leva-me a crer que já foi mãe. Este sentimento é reforçado pelo facto de a sua barriga ser algo flácida e apresentar muita gordura. As suas coxas e traseiro apresentam claros sinais de celulite, o seu peso talvez ande pelos de 80 Kg. Na sua pele não vi cicatrizes ou piercings, mas tem algumas tatuagens espalhadas pelo corpo, bem com dois sinais característicos. Um deles com dimensões impossíveis de não ver. Mantendo as meias durante todo o encontro, coloca-se de joelhos ao meu lado em cima da cama. Indo direta ao assunto pergunta-me se quero oral ao natural, respondo que pode ser. Assim se iniciou um oral ao natural num ritmo lento, boa sucção e profundidade. Prolongou-se além do tempo necessário para colocar o tolinhas em sentido e onde o saco das bolas não foi esquecido. Ao mesmo tempo fui-lhe acariciando a porta da frente com os dedos, ao que ela não se colocou objecções.

 

Algum tempo depois ela pergunta se pode vestir o tolinhas, respondo que sim e comento que o oral estava bom. A Ana tira uma gabardine de cima da mesa-de-cabeceira e veste o tolinhas ao mesmo tempo que me pergunta: como é que quer? Disse-lhe para vir para cima de mim. Então ela coloca saliva na mão e passa-a pela porta da frente para a lubrificar, logo de seguida inicia o vaginal na posição de cowgirl. O tolinhas sentiu-se aconchegado e continuámos nesta posição por algum tempo até que, a dada altura, ela sugeriu que trocássemos de posição. Disse-lhe para se deitar e continuámos na posição de missionário, para depois passarmos mais alguns minutos alterando de entre posições com ela sempre deitada. Pelo meio a Ana foi soltando alguns gemidos. Sentindo que o tolinhas estava a dar sinais de estar a chegar ao fim da linha, sugeri que acabássemos com anal, ao que ela acedeu sem stress. Colocou-se de quatro, pega numa embalagem de lubrificante e besunta a porta traseira. Afasto bem as nádegas para lhe ver a porta traseira, aponto o tolinhas e dou início à penetração. A entrada foi apertada, e por isso avancei devagar com pequenos movimentos de vai e vem para que ela se descontraísse. Aos poucos o tolinhas acabou por entrar todo num canal apertado. Fiz alguns momentos de pausa para que ela se descontraísse com ele todo lá dentro, depois iniciei os movimentos de vai e vem com um pouco de ritmo na posição de doggy style. Enquanto os movimentos do tolinhas faziam com que a Ana verbalizasse mais alguns gemidos acompanhados de Uis e Ais, levantei a minha perna direita apoiando-a no pé e não no joelho, sempre mantendo os movimentos de vai e vem. Pouco depois fiz o mesmo com a perna esquerda ficando nesta posição num ritmo animado até que o tolinhas fez a entrega de leite. Quando entrou no quarto a Ana comentou o frio que se fazia sentir, mas a verdade é que por esta altura era visível que toda ela transpirava.

 

Pouco depois desencaixo, ela agarra no rolo de papel, retira algum e utiliza-o para despir o tolinhas. Pergunta se quero ir à casa de banho, respondo que sim e sou acompanhado até à porta do quarto. Vou à casa de banho e lavo-me no bidé com alguma dificuldade pois este está muito perto da cabine de duche. Volto para o quarto e vou-me vestindo enquanto ela foi-se lavar. Já estou quase vestido quando ela regressa envergando a mesma indumentária que vestia quando entrei no apartamento. Alguma, pouca, conversa de circunstância enquanto acabo de me vestir. Pago pouco antes de sair do quarto e sou acompanhado até à porta onde nos despedimos com dois beijos na face e um até à próxima.

 

Conclusão: É certo que a Ana não tem um corpo de modelo nem foi dada a grandes conversas. Ainda assim, a verdade é que nada disso foi de grande importância. Apesar de pessoalmente preferir um pouco mais de conversa para ajudar a quebrar o gelo, a simpatia demonstrada deixou-me à vontade. Além disso dou mais importância ao desempenho do que a aparências físicas. No quarto cumpriu o anunciado ao telefone e a sua atitude foi a de satisfazer o cliente. Sem dúvida que se tiver essa oportunidade, certamente existirá um repeteco.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Ninor às 01:30

Tal como está escrito na primeira linha a azul no topo deste blog, o mesmo serve para publicação, sob a forma escrita, de alguns relatos baseados em encontros de sexo pago vivenciados pelo autor do mesmo. Não permitirei que este blog seja uma plataforma publicitária, por isso quem quiser publicitar o que quer que seja no espaço para comentários deste blog, verá os seus intentos frustrados tão cedo quanto me for possível. Procurem outro local ou concebam o vosso próprio espaço publicitário.


2 comentários

De André a 01.02.2016 às 21:33

Pensava que já tinha abandonado o blog. Já tinha saudades destes relatos. Fico a aguardar por mais. Parabéns pelo texto!

De Leoz a 17.02.2016 às 20:35

Oi Ninor
Adoro o seu blogue e sou um seguidor atento dos seus relatos e experiências.
Tenho uma pergunta que aliás já fiz no ano passado no seu blogue e que ainda não respondeu. O Ninor usa o famoso gabardine para proteger o tolinhas mas em mais que uma ocasião admitiu fazer sexo oral as PS... Não receia contrair alguma DVT com esta prática... Na melhor das hipóteses um ataque de herpes?
Abraços e continuação do trabalho interessante.

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Janeiro 2016

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31





Flag Counter

Visitantes Online