Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Sexoconvivio

Este Blog contém relatos de encontros de sexo pago vivenciados pelo autor do mesmo.



Este Blog destina-se á publicação, sob a forma escrita, de alguns relatos baseados em encontros de sexo pago vivenciados pelo autor do mesmo. É proibida a cópia e/ou reprodução total ou parcial do conteúdo do Blog sem autorização escrita do seu autor. Aconselho a que menores de idade se abstenham da leitura dos relatos aqui postados. Utilize a pesquisa deste Blog para procurar um número de telemóvel, nome, localidade, etc. de forma mais rápida. Boas leituras e deixe o seu comentário se assim o desejar.

Sábado, 24.10.15

916600928

Dia 09-10-2015, vou em busca de mais um encontro de sexo pago novamente em Odivelas. Faço uma consulta às páginas dos classificados do Correio da Manhã para avaliar as possibilidades, e após alguns contatos de pesquiza decido-me por este: Alta peitão xxxxl espanholada completa elegante, 916600928. No primeiro contato uma voz com sotaque Brasileiro diz ser bem-feita de corpo e que a foto de um peito tamanho 58 que acompanha o anúncio é mesmo dela. Afirma estar na Rua Major Caldas Xavier, anuncia convívio completo por 30€ e normal por 20€, estando disponível até às 19 horas. Sigo para o local indicado e ao chegar rapidamente me apercebo que o estacionamento na zona é super difícil mas gratuito. Dou umas voltas pelo local e acabo por conseguir estacionamento numa rua próxima. Faço novo contato onde me é confirmada a disponibilidade imediata e indicado o número de porta do prédio, acompanhado da instrução de que deveria voltar a ligar quando estivesse próximo da porta. Desta forma percorro a pé a distância que me separava da rua referida, ao chegar perto do número pretendido volto a ligar. Atende e divulga o piso para onde me devo dirigir, referindo ainda que vai abrir a porta. Contudo, ainda fico algum tempo parado numa rua com algum movimento até que a porta se abre, entro e no piso pretendido a minha atenção é atraída por uma porta que se abre à minha esquerda. De imediato vejo que a profissional do sexo se esconde por detrás dela espreitando cá para fora.

 

Entro no apartamento e encontro uma profissional do sexo com cerca de 1,70 metros de altura e o que mais salta à vista é o seu enorme peito. À porta atendeu calçando sandálias, camisa de dormir preta e casaco roxo. Cumprimentamo-nos, diz chamar-se Júlia e fomos para o quarto atravessando o apartamento, o silêncio nele existente leva-me a crer que estávamos sós. Entramos no quarto e pouco depois pergunto se posso ir à casa de banho, responde: “claro que sim”, e leva-me até à casa de banho localizada à esquerda da porta do quarto onde me deixa dizendo para eu ficar à vontade. Encontrei a casa de banho limpa e sem cheiros, era de pequenas dimensões e continha poliban com duche, sanita mas sem papel higiénico, lavatório onde existia sabonete líquido e para me secar apenas toalhas de pano que pelo aspecto dão para todos. Deixei o tolinhas secar nas cuecas depois de o ter lavado no lavatório. Quando saí da casa de banho a Júlia estava à porta já só vestindo soutien e cueca de cor preta, pediu desculpa por, devido a esquecimento, não me ter dado o rolo de papel de cozinha para me secar. Voltamos para o quarto onde, em cima da cama, ela já havia colocado o lençol de trabalho, bem como lubrificante e gabardine para o tolinhas. Iniciamos um pouco de conversa de circunstância e pouco depois começo a despir-me, sem grandes demoras a Júlia já só vestindo as cuecas pede o valor do convívio. Sem stress paguei o valor de convívio completo, mas o meu olhar não se desviava do seu enorme peito. Se é tamanho 58 não sei, mas bem feitas as contas eu precisaria de ter três mãos para abarcar cada uma das suas mamas! A Júlia pega no dinheiro e sai do quarto dizendo para eu estar à vontade que já volta.

 

Aproveito que estou só e vou observando o quarto enquanto acabo de me despir. Limpo e sem cheiros, com cama de casal com colcha e almofadas vermelhas em cima dos quais foi colocado o lençol de trabalho. No chão em frente à porta existia um termo-ventilador desligado, no canto em frente estava uma cadeira de pano de cor preta onde deixei a minha roupa. Entalada entre a cadeira e a cama existia uma mesa-de-cabeceira onde pousava um candeeiro cor-de-rosa. Noutro canto do quarto existia uma outra porta que dá para uma varanda entretanto feita marquise. Esta porta estava com os estores corridos e tinha um cortinado cujo tecido tinha o padrão leopardo. Ao lado dessa porta existiam janelas também com os estores corridos. Ainda assim o quarto era relativamente bem iluminado pela luz solar que passava por eles. No canto à direita da porta do quarto estava um móvel coberto por um pano preto, em cima dele a Júlia pousou a sua vestimenta que se juntava a uma TV desligada e a um rádio, aparentemente ligado na TSF, que ia debitando alguma música. Não demorou muito tempo até que a Júlia regressasse ao quarto, fazendo-o sem que antes tivesse passado pela casa de banho para se lavar. Meros instantes bastaram para que as suas cuecas se juntassem à restante indumentária ao lado da TV. Já em cima da cama fui observando o corpo da Júlia que não se limita a um peito muito volumoso. É brasileira caucasiana, aparenta andar na casa dos quarentas, tem cabelo longo de cor preta, a sua cara está maquilhada e usa batom vermelho. Ao telefone disse ser bem-feita de corpo, mas são notórios vários quilos a mais. Nomeadamente a sua barriga é saliente e apresenta algumas estrias, as suas coxas e rabo apresentam celulite. Não lhe vi cicatrizes, tatuagens ou piercings, a sua vagina apresenta pêlo aparado.

 

No meio de alguma conversa referente à dimensão do seu peito, a Júlia junta-se a mim na cama. Logo depois, estando eu deitado, ela faz algumas caricias no tolinhas e veste-o para iniciar o oral que decorreu num ritmo lento, com sucção e aperto razoáveis. Ao mesmo tempo que decorria o oral, eu ia-lhe apalpando as mamas e massajando o clitóris que a ia fazendo contorcer-se por, segundo ela, estar muito sensível. O oral decorreu durante o tempo suficiente para por o tolinhas em pé. Após a colocação de algum lubrificante, seguimos para vaginal que se iniciou na posição de missionário. Senti-a razoavelmente apertada e continuamos o vaginal durante algum tempo. Pelo meio fomos alterando entre algumas posições com ela deita, até que por fim fomos para a posição de doggy style que permitia apreciar as dimensões do seu traseiro. Depois de alguns momentos nesta posição, pedi para finalizarmos com anal, ela acedeu de imediato. Colocou lubrificante na porta traseira e continuando na posição de doggy style, apontou o tolinhas ao alvo. Aos poucos foi entrando sentindo um forte aperto. Depois de estar todo lá dentro, espero uns momentos para que ela se descontraia um pouco. Começo então os movimentos de vai e vem num ritmo bem lento, mas logo no segundo ou terceiro movimento a Júlia afasta o traseiro e diz que já não aguenta mais por causa das dimensões do tolinhas. Senti-me como uma criança a quem tinham tirado o rebuçado da boca. Ainda tentei que houvesse uma nova tentativa para prosseguirmos com anal, mas nada feito. Com este desapontamento, e após nova ronda de lubrificação, regressámos a vaginal novamente na posição de missionário. Seguiram-se mais alguns minutos de movimentos de vai e vem até que a Júlia volta a dizer que já não aguentava mais. Segundo ela, as dimensões do tolinhas até já estava a magoar a vagina, e como eu estava a demorar muito provavelmente iríamos parar antes de eu finalizar. Na realidade creio que ela estava a dizer: “despacha-te”, mas usando outras palavras. Assim sendo, acelerei o ritmo mantendo-o o tempo suficiente até que o tolinhas entregasse o leite.

 

Logo depois saímos da cama, ela agarra no rolo de papel, retira algum e tira a gabardine ao tolinhas. De igual forma retiro algum papel para melhor enxugar o tolinhas. Fui-me vestir enquanto a Júlia se enrola numa toalha e ajeita o quarto. Já vestido a Júlia, ainda enrolada na toalha, acompanha-me até à porta onde nos despedimos com dois beijos no rosto acompanhados de um “Tchau, tudo de bom. Volte sempre.” Saí e fui à minha vida.

 

Conclusão: Desde o início a Júlia foi simpática e na cama tentou agradar, mas um anal que praticamente não existiu e um vaginal que terminou a despachar, impedem-me de procurar um repeteco. Acabou por ser um encontro sem grande história e as memórias que dele ficaram basicamente resumem-se ao seu enorme peito, que se não é o maior que já vi sem silicone certamente andará muito perto.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Ninor às 23:45

Tal como está escrito na primeira linha a azul no topo deste blog, o mesmo serve para publicação, sob a forma escrita, de alguns relatos baseados em encontros de sexo pago vivenciados pelo autor do mesmo. Não permitirei que este blog seja uma plataforma publicitária, por isso quem quiser publicitar o que quer que seja no espaço para comentários deste blog, verá os seus intentos frustrados tão cedo quanto me for possível. Procurem outro local ou concebam o vosso próprio espaço publicitário.


3 comentários

De Anónimo a 25.01.2016 às 09:37

Tudo bem consigo, Ninor...?
Há 3 meses que não nos presenteia com os seus magnificos desbravanços...

De Ninor a 31.01.2016 às 01:46

É verdade, o tempo foi passando e acabei por negligenciar o Blog. Acontece que nos últimos meses do ano passado ocorreram mais encontros de repetecos (que geralmente não publico) do que de caras novas. Além disso, o tempo e a paciência para escrever foram escasseando com a chegada do Natal e do fim de ano.

De Anónimo a 01.02.2016 às 14:21

Ok!
Tudo a correr pelo melhor. ;)

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Outubro 2015

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031





Flag Counter

Visitantes Online